sexta-feira, 9 de maio de 2014

Poesia - A menina


O carvão mancha a pele;
Sozinha, ela expele
De si, a própria dor;
Dos outros, lágrimas de amor.

Dos sonhos
Não foram poucos
Os que já abandonou.

A vida
Já não a intimida,
Ela é forte
Como uma flor.

Algumas noites chorou;
Em outras lutou;
E das questões que chutou,
Por sorte, muitas acertou.

Com amor,
Ela segue;
Com a dor,
Ela vive.

Como Atlas
Convive
Com o sonho
De deixar seu fardo.